7up7down

Conteúdo editorial apoiado por

7up7down - Taxas de títulos do Tesouro dos EUA disparam para maior nível desde 2011 e puxam juros em outros países

Economia resiliente e expectativa por mais emissão de dívida nos próximos meses aumenta a exigência por prêmio pelos investidores

Equipe 7up7down

Publicidade

O rendimento das Treasuries – títulos do Tesouro dos Estados Unidos – de 30 anos subiu para o nível mais alto desde 2011, impulsionado pela resiliência da economia americana e uma oferta crescente de dívida pelo governo.

O retorno subiu até 7 pontos base, para 4,4219%, superando a alta de 2022, para 4,4214%. O rendimento das Treasuries de dez anos se aproximou de 4,31%, a poucos pontos-base de seu pico do ano passado.

Os dados econômicos dos EUA estão impulsionando os rendimentos do Tesouro – o de 30 anos estava abaixo de 4% em 31 de julho – devido à menor expectativa de que o Federal Reserve (Fed, banco central dos EUA) comece a cortar as taxas de juros no próximo ano.

Oferta Exclusiva

CDB 150% do CDI

Invista no CDB 150% do CDI da XP e ganhe um presente exclusivo do 7up7down

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

Soma-se a este cenário a maior probabilidade de que os EUA aumentarão as vendas de dívida nos próximos trimestres para cobrir déficits federais maiores, que também estão corroendo o valor da dívida existente.

Leia também: 

Economia resiliente

Os títulos do Tesouro americano lideraram a liquidação global de dívida pública, já que a economia dos EUA desafia as expectativas de que juros acima de 5% resultariam em uma recessão. O rendimento equivalente às Treasuries de 30 anos dos EUA no Reino Unido saltou para o maior nível em 15 anos, enquanto seu homólogo alemão se aproximou do maior nível desde 2011.

Autoridades presentes na última reunião de política monetária do Fed se mostraram preocupadas com o fato de a inflação no país não diminuir, exigindo novos aumentos de juros, mostraram as atas da reunião divulgadas na quarta-feira (16).

“Acreditamos que existe a possibilidade de um aumento adicional da taxa do Fed ainda este ano para garantir que haja alguma segurança de que a inflação permaneça contida”, disse Jerome Schneider, chefe de gestão de portfólios de curto prazo da PIMCO (Pacific Investment Management Co.), que administra US$ 1,8 trilhão em ativos.

Os rendimentos do Tesouro permaneceram perto dos picos intradiário após a divulgação dos números semanais de novos pedidos de auxílio-desemprego. Os dados sugerem que o mercado de trabalho continua resiliente.

Contribuindo para a liquidação global das dívidas, o Japão – que tem as taxas de juros mais baixas do mundo desenvolvido graças à sua política monetária ultra frouxa – viu um fraco interesse dos investidores ao vender suas notas de 20 anos nesta quinta-feira (17).

O rendimento de um índice da Bloombergpararetornos totais da dívida soberana global subiu para 3,3% na quarta, o maior nível desde agosto de 2008. Os títulos soberanos em todo o mundo renderam aos investidores uma perda de 1,2% em seus preços este ano, tornando a classe de ativos o pior desempenho entre as principais dívidas acompanhadas pela Bloomberg.

É uma reversão em relação ao início do ano, quando o otimismo de que os aumentos das taxas estavam perto de terminar fez com que os títulos globais disparassem, com o índice de referência Bloomberg Global Aggregate saltando mais de 3% em janeiro, para seu melhor mês de abertura em um ano. O indicador caiu na quarta-feira para -0,1% no ano.

Leia também: 

Prêmios maiores

Os rendimentos mais altos nos EUA continuam atraindo compradores. Os investidores injetaram US$ 127 bilhões este ano em fundos que investem em títulos do Tesouro, em um ritmo recorde, disse o Bank of America na semana passada, citando dados da EPFR Global.

Os gestores de ativos elevaram as posições compradas nos futuros do Tesouro para um recorde na semana encerrada em 8 de agosto, segundo dados da Commodity Futures Trading Commission. Pesquisa com clientes do JPMorgan mostrou que as posições compradas na semana até 14 de agosto corresponderam ao pico estabelecido em 2019, que foi o mais alto desde a crise financeira.

Os títulos globais, em particular, parecem atraentes, uma vez que os rendimentos em todo o mundo estão sendo elevados pelos EUA em um momento em que várias economias estão mostrando fraqueza, disse Steven Major, chefe global de pesquisa de renda fixa do HSBC Holdings.

“Grande parte do argumento de baixa para os títulos dos EUA é cíclico e local. Portanto, perde o pano de fundo global, juntamente com os fatores estruturais de longo prazo”, escreveu Major em nota na quarta-feira. “O fato de alguns bancos centrais de mercados emergentes já estarem relaxando nos diz que a inflação está caindo rapidamente ou que eles têm ventos contrários cíclicos e estruturais”.

Os títulos globais estão posicionados para superar o desempenho dentro de seis a 12 meses porque os bancos centrais estão chegando ao fim de seus ciclos de alta de taxas, disse a Western Asset Management nesta semana.

Leia também: 

Mas os títulos do Tesouro também estão sob pressão devido às expectativas de que o governo dos EUA emitirá mais dívida no próximo trimestre para conter os crescentes déficits federais. Os rendimentos de 10 anos dos EUA saltaram mais de 30 pontos-base em agosto, marcando o maior aumento mensal desde fevereiro.

“Há uma probabilidade razoável de que, à medida que a oferta chegar ao mercado, os investidores terão de ser encorajados com algum prêmio adicional em rendimentos mais altos”, disse Schneider, da Pimco.

Os últimos aumentos nos rendimentos dos EUA foram liderados pela variedade protegida contra a inflação, representando a taxa de retorno livre de risco que os investidores exigem, com base em suas expectativas de como os ativos mais arriscados provavelmente se comportarão. O chamado rendimento real dos títulos protegidos contra a inflação do Tesouro de 30 anos está acima de 2% pela primeira vez desde 2011, enquanto o benchmark de 10 anos foi negociado a pouco menos de 2% nesta quinta-feira, um nível visto pela última vez em 2009.

Com taxas reais elevadas, “o mercado de títulos está adicionando muito prêmio devido ao risco de que em algum momento, talvez no futuro de um ou dois anos, o Fed tenha que talvez retomar o aperto”, Dominic Konstam, chefe de estratégia macro da Mizuho Securities US LLC, disse na televisão Bloomberg. “Ironicamente, isso pode ser exatamente o que o Fed precisa para quebrar esse mercado de trabalho.

©2023 Bloomberg L.P.

Newsletter

Quer aprender a investir – e lucrar – no exterior?

Inscreva-se na newsletter do 7up7down para receber informações sobre tributação, procedimentos de envio e sugestões de alocação para seu dinheiro lá fora. É de graça!

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

7up7down Mapa do site