7up7down

7up7down - Por que a Copasa (CSMG3) subiu mais que a Cemig (CMIG4) na Bolsa após o 1º passo rumo à privatização das estatais?

Analistas veem que, historicamente, conversas sobre possível venda da Cemig sempre foram mais duras, além de destacarem potencial de alta maior para Copasa

Lara Rizério

Publicidade

No fim do pregão da véspera, por volta das 16h (horário de Brasília), o governo de Minas Gerais divulgou um comunicado informando ter enviado uma proposta para a Assembleia Legislativa  do estado (ALMG) para alterar a Constituição Estadual (PEC).

Essa PEC pretende eliminar a necessidade de um referendo no caso de privatização de suas empresas de utilities (saneamento, energia e gás). Além disso, a PEC também estabelece que essas privatizações exigiriam uma votação de 50% +1 na ALMG para serem aprovadas (atualmente 60%).

A notícia foi vista como um passo em diante para a privatização das principais estatais mineiras, mas as reações são em intensidades diferentes entre as que estão listadas na Bolsa, ainda que positivas.

Masterclass

As Ações mais Promissoras da Bolsa

Baixe uma lista de 10 ações de Small Caps que, na opinião dos especialistas, possuem potencial de valorização para os próximos meses e anos, e assista a uma aula gratuita

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

Já na véspera, os movimentos para Cemig (CMIG3;CMIG4), de energia, e Copasa (CSMG3), de saneamento, foram distintos, com as ações da primeira registrando um movimento mais modesto. Os ativos CMIG3 subiram 1,30%, CMIG4 avançou 1,67%, enquanto CSMG3 avançou 3,58%.

O movimento foi parecido na sessão desta terça-feira (22): enquanto CMIG4, mais líquida, avançou apenas 0,33% (R$ 12,25), as ações da Copasa subiram 2,10%, a R$ 19,49. CMIG3, menos líquida, teve alta de 1,95% (R$ 19,90).

Um motivo para esse diferente movimento é o grau de resistência para a privatização de cada estatal.

Continua depois da publicidade

O Bradesco BBI ressalta que, historicamente, as conversas sobre uma possível privatização da Cemig sempre foram mais difíceis do que a venda da Copasa (para esta última, o prazo presumido para a privatização é meados de 2024, antes das eleições municipais no final de 2024).

Na mesma linha, a XP avalia que a decisão de colocar a privatização em um outro momento também parece sensata, pois vê que há diferentes resistências políticas à privatização de cada empresa (Copasa e Gasmig menos do que a Cemig).

Outro ponto, conforme destaca o BTG, é que Cemig e Copasa oferecem ambas potencial de valorização em um cenário de privatização, mas o (i) potencial de valorização parece maior para a Copasa, atualmente negociada a 0,72 vez o EV/RAB (EV = enterprise value, ou valor de mercado + dívida líquida”; RAB = base de ativos regulatórios) esperado para 2023.

Longo processo

Além disso, ainda há um longo processo a ser destrinchado até que um cenário de privatização se concretize, o que indica a reação relativamente modesta das duas ações à notícia da PEC.

A PEC passará por revisão legislativa e precisa de 48 votos (3/5 dos deputados) para ser aprovada. A PEC está prevista para ser lida em plenário. Depois de lida, será encaminhada à Comissão de Justiça. Em seguida, seguirá para uma Comissão Especial, que tem 40 dias para emitir parecer sobre o texto proposto.

Posteriormente, será encaminhada para votação em plenário, devendo ser votado em dois turnos, sendo que o segundo turno ocorrerá três sessões após o primeiro. Se aprovado em segundo turno, o presidente da Assembleia Legislativa estadual tem cinco dias úteis para emitir sua aprovação final. As emendas poderão ser propostas durante a sessão no plenário, conforme aponta o BTG Pactual.

E, vale ressaltar, mesmo com a PEC aprovada, a privatização da Cemig e da Copasa ainda exigiria a votação de um projeto de lei pelo legislativo estadual.

De acordo com o comunicado, o Estado de Minas Gerais enviará as propostas de privatização para a aprovação da ALMG assim que seus estudos de viabilidade forem concluídos. O Estado declarou que pretende concluir as privatizações antes de 2026, quando termina o mandato do atual governador.

Lara Rizério

Editora de mercados do 7up7down, cobre temas que vão desde o mercado de ações ao ambiente econômico nacional e internacional, além de ficar bem de olho nos desdobramentos políticos e em seus efeitos para os investidores.

7up7down Mapa do site