7up7down

7up7down - Como alocar os recursos em um mundo “novo normal”? Motley Fool dá as dicas

No cenário de pouca alavancagem e economias focadas no crescimento real, quais são os fatores a relevar?

Rafael Souza Ribeiro

Publicidade

SÃO PAULO – Ao longo dos anos, grande parte dos investidores ao redor do mundo foram beneficiados pela política monetária e fiscal expansionista adotada pelos Estados Unidos. A ideia de estimular a economia fornecendo crédito e retroalimentando os estoques gerou riquezas e criou imensos conglomerados.

Contudo, muitos economistas e analistas rebatem este tipo de política, pois, ao invés de promover o acréscimo de investimento produtivo real, apenas incentiva um “virtual” crescimento, que se desfaz a qualquer mazela sistêmica. As crises financeiras nos EUA são um exemplo desta fragilidade.

O último colapso econômico, considerado por alguns especialistas como a maior crise desde 1930, colocou em xeque a política de alavancagem adotada pelo governo dos Estados Unidos e abriu espaço para a discussão de políticas econômicas mais sustentáveis.

Masterclass

As Ações mais Promissoras da Bolsa

Baixe uma lista de 10 ações de Small Caps que, na opinião dos especialistas, possuem potencial de valorização para os próximos meses e anos, e assista a uma aula gratuita

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

Bill Gross, diretor do fundo de investimento Pimco, cunhou o termo “novo normal”, que consiste em políticas menos alavancadas e focadas na economia real (produção, demanda interna…), propondo uma mudança de foco do crescimento, das exportações para a demanda doméstica, tendo em vista a debilitada conta pública.

Investindo no “novo normal”
Colunista do site de investimentos norte-americano Motley Fool, o analista Anand Chokkavelu convenceu alguns personagens a investirem em um mundo de “novo normal”.

Neste cenário, uma boa oportunidade de aporte consiste em investimento junto às empresas com dividend yields altos, tendo em vista o crescimento da economia em torno de 2%. Focar também nas empresas com “canais monopolistas”, ou seja, que atuam em mercados com barreiras à entrada consideráveis e enfrentam pouca concorrência.

Continua depois da publicidade

Se a tese de Gross estiver correta, o analista Alex Dumortier, da Seeking Alpha, sugere duas alternativas de investimento. No gap de mercado entre as empresas que fornecem franquias e, ao mesmo tempo, enfrentam pouca pressão competidora, como a Visa.

Outra alternativa, recorrente nos últimos tempos, é focar os investimentos em economias emergentes, uma vez que tendem a postar crescimento maior do que o esperado pelo mercado e superior às economias desenvolvidas.

7up7down Mapa do site