7up7down

7up7down - Cade aprova joint venture entre Cielo e Banco do Brasil

Pelos termos do acordo anunciado em meados de novembro, o capital social da nova sociedade será dividido em 30 por cento para a BB Elo Cartões e 70 por cento para a Cielo

Reuters

Publicidade

SÃO PAULO (Reuters) – O Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) aprovou, sem restrições, acordo entre o Banco do Brasil (BBAS3) e a Cielo (CIEL3) para a criação de uma joint venture para gerir os negócios com cartões de crédito e de débito das duas instituições, conforme despacho publicado nesta terça-feira no Diário Oficial da União.

Pelos termos do acordo anunciado em meados de novembro, o capital social da nova sociedade será dividido em 30 por cento para a BB Elo Cartões, subsidiária integral do Banco do Brasil, e 70 por cento para a Cielo.

Como o BB tem uma participação indireta na Cielo, por meio do BB Banco de Investimento S.A., o banco ficará com uma participação no capital da nova empresa de 50,05 por cento.

Masterclass

As Ações mais Promissoras da Bolsa

Baixe uma lista de 10 ações de Small Caps que, na opinião dos especialistas, possuem potencial de valorização para os próximos meses e anos, e assista a uma aula gratuita

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

O BB informou anteriormente esperar um impacto financeiro da ordem de 3,2 bilhões de reais no seu lucro líquido em função da operação.

A Cielo, por sua vez, disse que aportaria 8,1 bilhões de reais no negócio e que o financiamento seria feito por meio da emissão de debêntures. Mais cedo neste mês, a empresa de meios de pagamentos eletrônicos aprovou três emissões privadas de debêntures, no valor total de 3,459 bilhões de reais.

“Da perspectiva da Cielo, a operação permitirá uma diversificação de suas atividades para um novo mercado no setor de meios de pagamentos, num momento de transição regulatória. Além disso, a operação também permitirá que a Cielo obtenha novas fontes de receitas estáveis”, disse trecho do documento apresentado pelas companhias ao Cade.

Continua depois da publicidade

As companhias pontuaram ainda que, para o BB, o negócio implicará redução do seu consumo de estrutura, segregando as atividades do módulo de gestão de contas de pagamento para a nova empresa.

A conclusão do negócio ainda depende de autorização do Banco Central.

7up7down Mapa do site