7up7down

7up7down - BHP Billiton corta dividendo e informa prejuízo de US$ 5,67 bilhões

O fim da chamada política de dividendo progressivo da BHP ocorre conforme a maior mineradora diversificada do mundo registrou prejuízo líquido de 5,67 bilhões de dólares nos seis meses encerrados em 31 de dezembro, sua primeira perda em mais de 16 anos

Reuters

Publicidade

SIDNEY – A mineradora global BHP Billiton cortou seu dividendo intermediário em 75 por cento nesta terça-feira, abandonando uma antiga política de pagamentos estáveis ou maiores conforme se prepara para uma desaceleração mais longa do que o esperado nas commodities.

O fim da chamada política de dividendo progressivo da BHP ocorre conforme a maior mineradora diversificada do mundo registrou prejuízo líquido de 5,67 bilhões de dólares nos seis meses encerrados em 31 de dezembro, sua primeira perda em mais de 16 anos.

“Precisamos reconhecer que estamos em uma nova era, um novo mundo e precisamos de uma nova política de dividendos para lidar com isso”, disse o presidente-executivo da empresa, Andrew Mackenzie, em teleconferência, alertando para um período prolongado de preços mais fracos e volatilidade mais acentuada.

Masterclass

As Ações mais Promissoras da Bolsa

Baixe uma lista de 10 ações de Small Caps que, na opinião dos especialistas, possuem potencial de valorização para os próximos meses e anos, e assista a uma aula gratuita

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

O dividendo cortado para 0,16 dólar ficou abaixo do esperado pelo mercado, de pagamento de até 0,35 dólar. A BHP prometeu um pagamento de pelo menos 50 por cento do lucro recorrente de agora em diante.

O lucro recorrente atribuível da empresa caiu para 412 milhões de dólares ante 4,89 bilhões um ano antes, abaixo da previsão de analistas de cerca de 585 milhões de dólares, com a queda de preços de commodities para mínimas em vários anos.

Os resultados da BHP incluem um encargo após impostos de 858 milhões de dólares após o desastre com a barragem da Samarco, joint venture com a Vale no Brasil, que matou 17 pessoas no pior desastre ambiental do país.

7up7down Mapa do site