7up7down

7up7down - Candidato libertário Javier Milei lidera pesquisas e governista Sergio Massa conversa com o FMI

Em meio à disputa eleitoral, "dólar blue" se estabiliza em 720 pesos, após forte alta observada na semana passada

Roberto de Lira

Publicidade

Javier Milei, o economista candidato de direita à presidência da Argentina, da coalização “La Libertad Avança” lidera as últimas pesquisas de intenção de votos, segundo informou o jornal Clarín. Ele ainda não conquista uma maioria de 40% das preferências que evitaria uma vitória já no primeiro turno, em 22 de outubro, mas tem boa vantagem sobre o ministro da Economia, Sergio Massa, da coligação “Unión por La Patria”, e sobre a pleiteante de centro-direita Patricia Bullrich, da coligação “Juntos por El Cambio”.

Por enquanto, o mercado cambial argentino se acomodou, após a forte volatilidade da semana passada. A cotação o “dólar blue”, a principal do mercado paralelo e a mais utilizada pela população, está em 720 pesos por unidade, após chegar perto de 800 na semana passada.

Pela pesquisa da CB Consultoria de Opinião Pública divulgada em 17 de agosto, Milei está com 32,3% das intenções, ante 28,1% de Massa e 25,3% de Bullrich. Já pela DC Consultores, Mieli tem 34%, Bullrich está com 24,7% e Massa figura em terceiro lugar, com 23,1%. Essa enquete aponta que há 15% de indecisos.

Masterclass

As Ações mais Promissoras da Bolsa

Baixe uma lista de 10 ações de Small Caps que, na opinião dos especialistas, possuem potencial de valorização para os próximos meses e anos, e assista a uma aula gratuita

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

Pelo levantamento do Observatório de Psicologia Social Aplicada (OPSA), que só considerou as pessoas que disseram ter votado nas prévias do PASO, Milei é favorito, com 38,5% das intenções de votos, Massa tem 32,3% e Bullrich está com 23,7%. Uma outra consultoria citada pelo Clarín, que pediu para seu nome não ser divulgado, mostrou Milei também com vantagem folgada (38,6%), seguido por Massa (31,9%) e com Bullrich mais afastada (19,6%).

Enquanto segue a campanha, os candidatos tentam mostrar que estão preparados para comandar um país com inflação de mais de 100% em 12 meses, escassez de reservas cambiais e com extremas dificuldades em cumprir exigências de um acordo com o Fundo Monetário Internacional (FMI).

Massa, por exemplo, está em Washington nesta terça-feira (22), negociando para receber o desembolso US$ 7,5 bilhões prometido para amanhã, após uma longa negociação fechada no início do mês e que trouxe novas exigências, como uma desvalorização de mais de 20% na moeda argentina, medida adotada na semana passada, logo após as prévias que colocaram Milei como favorito.

Continua depois da publicidade

O ministro tem negociado com os setores produtivos e com varejistas de vários segmentos para evitar que seja feito um repasse total dessa desvalorização para os preços dos artigos mais essenciais. Na viagem aos Estados Unidos, ele também vai tentar junto a organizações como o  BID e o Banco Mundial levantar fundos para obras públicas, informou o jornal AmbitoFinanciero.

Já Milei, tem tentado mostrar um lado mais negociador  e conciliador, mesmo após entrevistas em que reforçou sua intenção de realizar uma dolarização plena da economia argentina, abandonando o peso, e retirar do Banco Central a prerrogativa da política monetária.

Ele fez uma reunião por vídeo com o FMI na semana passada e se prepara para apresentar seu programa de governo para os maiores empresários do país na conferência do Conselho das Américas na próxima quinta-feira (24).

Já Bullrich está tentando atrair os 30% de argentinos aptos a votar que não foram às urnas nas prévias, cerca de 11 milhões de eleitores. Para isso, ela tem intensificado sua campanha junto aos candidatos da coligação que estão nas disputas regionais em províncias como Buenos Aires, Santa Fe, Mendoza, San Juan e Jujuy.

7up7down Mapa do site