7up7down

7up7down - Campos Neto diz que seu “voto de Minerva” no Copom aconteceu em junho e não em agosto

Presidente do BC disse ter desempatado votação por uma comunicação leve na penúltima reunião, na esperança que CMN fosse manter a meta

Roberto de Lira

Publicidade

O chamado “voto de Minerva” do presidente do Banco Central, que desempatou a votação do Comitê de Política Monetário (Copom), não aconteceu na última reunião do colegiado, em agosto, mas no encontro anterior, em junho, afirmou Roberto Campos Neto, durante a 24ª conferência anual do Santander Brasil.

A responder um pergunta sobre a surpresa de parte do mercado com seu com o seu voto pelo corte de 50 pontos-base na Selic – a votação acabou em 5 a 4 entre os nove participantes – o presidente do BC revelou que havia também uma divisão na reunião de junho

Segundo Campos Neto, naquela reunião, havia dois grupos distintos dentro do Comitê, um querendo manter a porta fechada na comunicação para possíveis cortes de juros à frente e outro que desejava manter essa porta aberta. “Nesse momento, teve um debate de como comunicar e estava bem dividido”, lembrou.

Masterclass

As Ações mais Promissoras da Bolsa

Baixe uma lista de 10 ações de Small Caps que, na opinião dos especialistas, possuem potencial de valorização para os próximos meses e anos, e assista a uma aula gratuita

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

O presidente do BC ficou no lado dos que queriam deixar a possibilidade em aberto, alegando que haveria a reunião do Conselho Monetário Nacional (CMN) nos dias seguintes e que uma possível manutenção da meta de inflação seria benigna para as expectativas. “Eu tinha um grau de convicção de que subir a meta não dava grau de credibilidade e que, mantendo a meta em 3%, a expectativa de inflação ia cair”, afirmou. De fato, após a manutenção da meta, a expectativa de inflação recuou para 3,5% e a dinâmica  melhorou, completou.

Assim, conforme a explicação de Campos Neto, no último Copom (entre 1º e 2 de agosto), quem tinha optado no encontro anterior por deixar porta fechada passou a votar em 0,25 p.p. de corte. E quem votou pela porta aberta entendeu que ritmo de 0,50 p.p. era o mais apropriado para o ajuste.

7up7down Mapa do site