7up7down

7up7down - Campos Neto defende solução “organizada” para problemas no rotativo do cartão de crédito

Para presidente do BC, não fazer nada pode ser a pior das soluções para um segmento com nível de inadimplência de mais de 50%

Estadão Conteúdo

Publicidade

O presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, afirmou nesta terça-feira (22) que a solução para os problemas do crédito rotativo precisa considerar uma série de pontos para não gerar uma ruptura no mercado de crédito. De acordo com ele, a participação do cartão de crédito no consumo brasileiro é alta na comparação com outros países.

“A gente precisa achar uma solução que entenda que o parcelado sem juros é importante para o consumo brasileiro, não pode ter nenhuma ruptura”, disse ele durante participação em conferência do Santander Brasil, em São Paulo. “Não tenho como dizer qual vai ser a solução, mas acho que a solução vai passar por esses pontos. Não fazer nada pode ser pior.”

Um dos pontos em discussão são eventuais restrições ao parcelamento sem juros, que de acordo com os bancos, é subsidiado pelos juros cobrados no crédito rotativo.

Masterclass

As Ações mais Promissoras da Bolsa

Baixe uma lista de 10 ações de Small Caps que, na opinião dos especialistas, possuem potencial de valorização para os próximos meses e anos, e assista a uma aula gratuita

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

Campos Neto afirmou, por outro lado, que a inadimplência acima de 50% no rotativo mostra que “há algo de errado” com essa linha de crédito. Ele ainda disse que é preciso considerar que a inadimplência vista no cartão de crédito nos últimos meses também é fruto da rápida expansão da oferta, puxada majoritariamente por novos players de mercado.

“O negócio de crédito é um negócio de assimetria de informação. Isso fez com que alguns desses entrantes novos da operação de cartões tivessem inadimplência alta com juros altos”, afirmou o presidente do BC.

Campos Neto disse que uma solução desorganizada pode gerar problemas para o consumo no País. Ele citou dados que mostram que os cartões de crédito representam 40% do consumo no Brasil. “Você pode concluir ou pelo menos especular que o cartão de crédito faz uma função além do que deveria”, afirmou ele.

Continua depois da publicidade

Ainda de acordo com o presidente do BC, o cartão de crédito é 20% do crédito no País, e nesse produto, só um terço das operações têm cobrança de juros, seja no rotativo, seja no parcelado. Com isso, cerca de 15% do crédito no País não tem a incidência de juros, comentou.

7up7down Mapa do site